quinta-feira, 23 maio, 2024

Confiança do empresário do comércio recua

Confiança

 

Os comerciantes brasileiros ficaram menos otimistas em maio, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) recuou 1,5% em relação a abril, já descontados os efeitos sazonais, para o patamar de 108,4 pontos.

O indicador permanee na zona de otimismo, acima dos 100 pontos. Todavia, houve redução de 9,8% em relação ao patamar registrado um ano antes, em maio de 2022.

Segundo a pesquisa, 58% dos comerciantes apontaram em maio que as vendas pioraram, porcentual mais alto dos últimos dois anos. Apesar de os consumidores indicarem maior intenção de compra, “o endividamento e a inadimplência elevados e o crédito caro e seleto limitam a capacidade de consumo”, justificou a CNC, em nota.

De maneira idêntica, na passagem de abril para maio, todos os componentes do Icec tiveram redução. A percepção sobre as condições atuais recuou 3,5%. Sendo assim, foi para para 85,1 pontos, com perdas nas avaliações sobre a economia (-6,0%), o setor (-4,0%) e a empresa (-1,3%).

O subíndice de expectativas encolheu 0,9%, para 139,7 pontos, com reduções nos itens economia (-0,4%), setor (-1,5%) e empresas (-0,6%).

Quanto ao componente de investimentos, entretanto, houve queda de 0,5% em maio ante abril, para 100,5 pontos. Reduções aconteceram nos itens contratação de funcionários (-0,2%), empresa (-1,0%) e estoques (-0,2%).

 

Análise

 

A manutenção dos juros altos tem afetado o otimismo dos comerciantes. A opinião é da economista Izis Ferreira, responsável pela pesquisa da CNC.

“Mesmo que o consumidor de rendas média e baixa esteja mais disposto a consumir e com as datas comemorativas dos próximos meses estimulando as vendas, o otimismo é menor entre os empresários de todos os segmentos. A cada dez comerciantes, três consideram que as vendas do setor devem piorar nos próximos meses”, avaliou.

Entre os segmentos pesquisados, a confiança dos varejistas de roupas, acessórios e calçados teve a maior redução no mês, -1,8%; A causa é a alta de preços no setor e queda nas vendas. Já o varejo de produtos duráveis teve a maior perda nas expectativas, -2,1%. Isso aconteceu devido ao cenário de endividamento e inadimplência, além do crédito caro, apontou Izis.

 

FONTE: Estadão Conteúdo

 

Confira outras notícias da editoria ECONOMIA clicando aqui