quinta-feira, 23 maio, 2024

Campos Neto: Queda de juros permite Selic cair

Campos
Lula Marques/ Agência Brasil.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta segunda-feira que o custo de crédito tem caído porque ele não está associado à Selic, mas sim ao comportamento dos juros futuros de longo prazo. “É essa taxa de juros longa cair é que abre espaço para a Selic cair. Porque se a Selic cai com a taxa de juros longa acima, demonstra uma falta de credibilidade na política monetária e a taxa de juros longa sobe mais ainda”, afirmou, em evento promovido pelo Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV).

Aos empresários, Campos Neto disse que os dados do BC apontam que o prazo médio da dívida do varejo é de 3,1 anos. Segundo ele, a taxa de juros nesse intervalo caiu de 13,5% para 10,5% no último mês e meio.

“Eu torço todo dia para cair os juros. Qualquer banqueiro central quer viver com os juros mais baixos possíveis com inflação estável. Essa queda de juros futuros, de quase 3,0%, já começa a aparecer no custo de credito de rolagem. Se a Selic cai sem credibilidade, não vai diminuir o custo de rolagem de vocês (varejo), vai aumentar, e a gente viu isso na nossa história recente”, argumentou. “Se o juro é ruim para varejo, a inflação é muito pior”, disse ele.

Copom Pragmático

O presidente do Banco Central, mais uma vez, sinalizou que as revisões para baixo nas projeções longas de inflação abrem espaço para o BC começar a cortar a taxa Selic, hoje em 13,75% ao ano, mas reforçou que o Copom não tomará decisões artificialmente.

“Temos que manter a inflação sob controle. O trabalho está sendo feito e entendemos que está no caminho certo Há um cenário bom, com crescimento sendo revisado para cima e inflação sendo revisada para baixo. Isso abre espaço. Estamos perto da reunião do Copom, eu sou um voto de nove, e não posso adiantar nada do que pode ser feito”, afirmou.

Campos Neto repetiu que o custo de não combater inflação é muito elevado. Ademais, voltou argumentar que a Selic – apesar de “super alta” – é hoje menor que a média histórica na comparação com outros países. “Entendendo a insatisfação com os juros, mas é preciso ter paciência. Entendo que as empresas estão sentido muito, algumas mais que outras, e vamos fazer uma força para atingirmos um ambiente de estabilidade para todos o mais rápido possível, mas fazer de forma artificial não alcançará o resultado esperado”, enfatizou.

Ele reforçou que a tarefa do BC é fazer inflação convergir para a meta. “Tentamos fazer o processo o antes e mais rápido para ter o mínimo de dor possível”, repetiu. “Lembrando é uma decisão de colegiado no Copom, que o debate é amplo e técnico”, acrescentou.

Fonte: Estadão Conteúdo