Search

quinta-feira, 25 jul, 2024

Especialista dá dicas para inverno saudável

“Vai botar o casaco, sim!”. O inverno chegou, as temperaturas diminuíram e as emergências lotaram. Não tem jeito, quando o clima fica mais gelado, alguns sinais do nosso corpo começam a aparecer, principalmente pelo fato de morarmos no Brasil, um país tropical e acostumado com temperaturas mais elevadas. A estação exige mais cuidados com a saúde, afinal temos vistos as emergências e consultórios lotados e as queixas são as mesmas: gripes, resfriados, alergias, dores de garganta, rinites, sinusites e asmas, além de outras doenças típicas dessa época. Para se prevenir desses problemas, a médica Adriana M. O. Castro, Diretora das Emergências da Rede Hospital Casa faz algumas recomendações e responde a maior dúvida das avós: Frio causa gripe?

“Não. Mas mexe com nosso corpo e nossos hábitos”, explica a médica, que ressalta a importância de medidas preventivas para essa época: “É importante manter o corpo aquecido, evitar aglomerações, manter as mãos e rosto limpos e higienizados, beber bastante água e manter uma alimentação saudável”.

Especialista
Dra. Adriana Castro

 

Adriana reforça que apesar do frio em si não causar gripe, o tempo seco pode ser um fator determinante para algumas doenças. “Durante os meses mais frios do ano são mais comuns as doenças respiratórias. Tanto as alérgicas como rinite, asma, exacerbação de bronquite como as relacionadas a infecções de vias aéreas como pneumonias e sinusites”, diz a médica que relata os motivos das doenças no inverno surgirem mais facilmente:

“A gripe é uma infecção viral, causada pelo vírus influenza. Ela é altamente contagiosa e pode ser transmitida por meio de espirros, tosse, contato com superfícies contaminadas e até mesmo pelo ar. O frio não é o responsável direto pela doença, mas sim pela queda da resistência do sistema imunológico, o que pode deixar o organismo mais suscetível a infecções virais”.

 

Por que as pessoas ficam mais doentes no frio?

 

“O organismo tem defesas naturais contra partículas e microrganismos, nosso tecido saudável das vias aéreas é quente, úmido, produz muco protetor e é composto por cílios que tem o constante trabalho de varrer intrusos para fora das vias respiratórias. Alterações bruscas de temperatura, baixa umidade do ar e poluição atmosférica são alguns fatores ambientais que atrapalham a saudabilidade deste tecido. Quem nunca teve sensação de ter engolido uma pedra de gelo após um período em uma sala com ar-condicionado ajustado para reproduzir a temperatura dos alpes? Lesando nosso tecido, ficamos mais vulneráveis a infecções por vírus e por bactérias também”, detalha a doutora Adriana que também relembra que ambientes fechados são focos importantes de vírus:

“No clima frio, tendemos a ficar em ambientes fechados, o que nos faz ficar mais próximos das pessoas facilitando a propagação de doenças transmitidas pelo ar com é o caso das viroses. Também, neste período mais frio do ano, são marcantes fatores relacionados aos patógenos. Uma evidência interessante é que o rinovírus, frequentemente causador do resfriado comum, se replica mais rapidamente e permanece infeccioso por mais tempo em temperaturas mais frias. Temos ainda estudos sugerindo que o clima frio altera a membrana externa do vírus Influenza fazendo com que a transmissão de pessoa para pessoa seja facilitada. Concluindo, são diversos os fatores que fazem do outono e inverno estações que apresentam maior incidência de infecções respiratórias”.

 

E tem como prevenir?

 

Segundo a doutora Adriana tem e é simples. “Evitando o contágio e fortalecendo o organismo. Evitar locais fechados, aglomerações, uso de máscara e lavagem das mãos para reduzir a exposição ao ambiente. Mantenha sua casa limpa e arejada. Boa alimentação e hidratação, boas noites de sono, exercício físico moderado, sol na medida certa para manutenção dos níveis de vitamina D e vacina para fortalecer o corpo. Cada uma dessas medidas tem sua importância, mas principalmente: vacine-se e vacine as crianças!”

Outra dúvida comum, principalmente de pais e mães é quando procurar a emergência, visto que estão lotadas. Doutora Adriana M. O. Castro, Diretora das Emergências Rede Hospital Casa detalha:

• Febre alta (>39 graus) ou calafrios e sudorese intensa

• Febre por mais de três dias

• Falta de ar

• Sonolência excessiva

• Dor de ouvido

• Dor de garganta que limita a ingestão de água ou alimentos

• Dor abdominal

• Vômitos

• Perda de peso

• Sintomas que melhoram e tornam a piorar

• Choro constante

“Aproveite o clima frio ao ar livre e bote o casaco! É possível curtir o inverno sem prejudicar a saúde. Cuide-se e aproveite essa estação tão charmosa e aconchegante”, finaliza a especialista.

 

Sobre a REDE HOSPITAL CASA

 

É o maior operador hospitalar independente do estado do Rio de Janeiro. Hospitais preparados para atender diversas especialidades médicas, com Emergências 24 horas, Centro-cirúrgicos, Unidades de Terapia Intensiva, Leitos Particulares e de Enfermaria. Rede atende a diversos planos e convênios de saúde como também particulares.

Ao todo integram a rede 12 unidades hospitalares e somam 1000 leitos, sendo 400 de Terapia Intensiva e 600 Leitos de Acomodação; 47 Salas de Cirurgia, 10 Emergências 24 horas e ambulâncias próprias. Possui o maior e mais completo Centro de Tratamento Oncológico. O Hospital de Câncer possui oncologia clínica, quimioterapia e um quadro completo de exames e procedimentos, indo do mais simples ao mais complexo. Referência em atendimento humanizado e de excelência.

 

Hospitais:

 

Hospital Casa | Hospital de Câncer

Hospital Casa de Portugal

Hospital Casa Evangélico

Hospital Casa Prontocor

Hospital e Maternidade Casa Egas Moniz

Hospital Casa Menssana

Hospital Casa São Bernardo

Hospital Casa Procordis (em construção)

Hospital Casa Rio Laranjeiras

Hospital Casa Rio Botafogo

Hospital Casa Santa Cruz

3D Diagnóstico por imagem