quarta-feira, 24 abr, 2024

Moraes desbloqueia redes sociais de deputados do PL

Nikolas Ferreira é liberado para voltar ao Twitter, mas sob ameaça de multa. (Divulgação).
Nikolas Ferreira é liberado para voltar ao Twitter, mas sob ameaça de multa. (Divulgação).

Claudio Fernandes, da Tribuna da Imprensa

O presidente do TSE, Alexandre Moraes, atendeu ao pedido do deputado federal Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, e desbloqueou as contas das redes sociais de quatro parlamentares. A partir da noite desta quinta-feira, Victor Hugo (PL-GO) e Marcel Van Hatten (Novo-RS) , que estão em pleno exercício de seus mandatos, além de Gustavo Gayer (PL-GO) e Nikolas Ferreira (PL-SP), eleitos no pleito de outubro passado, poderão exercer o direito constitucional da livre expressão de pensamento.

Os quatro deputados tiveram tal direito suspenso porque Moraes julgou como anti-democráticas as opiniões deles sobre a forma como todo o processo eleitoral foi conduzido e os ataques a impossibilidade de os votos serem auditáveis. Em comum entre os parlamentares, o fato de três serem do partido de Jair Bolsonaro e todos serem declaradamente apoiadores do presidente.

Após a conversa com  Lira, o texto do ministro diz que a decisão foi tomada “dada a relevância dessa forma de comunicação para o exercício pleno das atribuições do mandato parlamentar”. No entanto, as publicações com as críticas dos deputados seguem apagadas.

MULTA FIXADA

 

Além disso, Moraes sustentou a opinião de que tais postagens trazem “desinformações” e “as condutas dos parlamentares e daqueles que foram eleitos para a próxima legislatura, portanto, caracterizaram grave ferimento à ordem jurídica”. O ministro também fixou multa de R$ 20 mil caso um dos quatro volte a publicar qualquer mensagem que ele julgue como “atentatória a Justiça Eleitoral ao ao Estado Democrático de Direito”.

Na manhã desta sexta, em sua conta no Twitter, Nikolas Ferreira afirmou que apenas a conta desta rede social foi liberada, disse que não há o que comemorar e atacou a possibilidade de ser multado.

 

Por outro lado, o pedido da deputada federal Carla Zambelli, que também está com as redes sociais suspensas, foi negado. A justificativa foi a seguinte: “Não há como ser deferida a pretensão de reativação das redes da requerente porque a finalidade dela é de desestabilizar as instituições e pugnar por ato criminoso, atitude que passa ao largo do direito que invoca de utilização das referidas redes para comunicação com seus eleitores”.

 

Confira outras notícias da editoria POLÍTICA clicando aqui.