sábado, 13 abr, 2024

Colapso bancário gera debate no Senado dos EUA

Diretora do Escritório de Gerenciamento e Orçamento
REUTERS/Jonathan Ernst

Da Agência Reuters

 

O Comitê de Orçamento do Senado dos Estados Unidos inicia debate nesta quarta-feira sobre a proposta orçamentária de 6,8 trilhões de dólares do presidente democrata Joe Biden, enquanto o colapso de dois bancos ameaça aumentar as apostas de um impasse partidário sobre gastos e dívidas.

A proposta de Biden é um passo inicial em uma negociação sobre os gastos fiscais de 2024 com os republicanos, que controlam a Câmara dos Deputados e dizem que se recusarão a aumentar o teto da dívida de 31,4 trilhões de dólares do país, a menos que os democratas concordem com cortes drásticos de gastos.

Se isso não for feito, o governo federal pode entrar em default sem precedentes, o que afetaria a economia e os mercados globais, voláteis após o colapso do Silicon Valley Bank e do Signature Bank.

A diretora de orçamento da Casa Branca, Shalanda Young, irá depor sobre o plano de Biden, que pede quase 5 trilhões de dólares em aumentos de impostos para os ricos e grandes corporações para ajudar a compensar o déficit e fortalecer o Medicare.

Os republicanos rejeitaram a proposta de imediato, com a bancada “linha dura” House Freedom Caucus emitindo na semana passada uma contraproposta que inclui um quase congelamento de gastos discricionários e o fim de vários programas de Biden.

“Quero ser claro: a América está em perigo real devido a décadas de má administração fiscal, mas o presidente Biden não tem feito nada além de piorar esta situação”, disse o senador republicano Rick Scott em uma carta aberta a Young na terça-feira com questões sobre inflação, participação no mercado de trabalho, custos de juros, futuro da Previdência Social e outros assuntos.

 

Confira outras notícias da editoria POLÍTICA clicando aqui.