quarta-feira, 24 abr, 2024

Signatários de carta contra Le Raoult receberam de laboratórios

Signatários

Uma reportagem investigativa publicada na France Soir aborda que as sociedades médicas desempenham um papel crucial na promoção do conhecimento médico, na elaboração de diretrizes clínicas e na formação de profissionais de saúde. No entanto, essas instituições estão cada vez mais sendo criticadas por seus estreitos vínculos com a indústria farmacêutica, levantando questões sobre a imparcialidade de suas recomendações.

A reportagem ressalta que a influência da indústria farmacêutica nessas recomendações é preocupante, pois pode levar à prescrição excessiva de medicamentos caros e potencialmente desnecessários, minimizar abordagens alternativas não farmacológicas e negligenciar os efeitos colaterais dos tratamentos.

Portanto, não foi surpreendente ver uma reação em massa contra o estudo retrospectivo em pré-print pelos professores Lagier, Brouqui, Million e Raoult do IHU Méditerranée Infection, que mostrou o impacto favorável na mortalidade relacionada à Covid-19 em mais de 30.000 pacientes com hidroxicloroquina e azitromicina.

Essa reação se manifestou na forma de uma carta aberta no jornal Le Monde, coordenada pelo professor Molimard do CHU de Bordeaux. Nos últimos 3 anos, ele se destacou na mídia como um opositor de todas as formas de tratamento da Covid-19. Suas críticas contundentes “nada funciona”, “as concentrações não são alcançadas”, não são embasadas em evidências científicas sólidas, ressalta a reportagem.

O banco de dados https://transparence.sante.gouv.fr, consultado através do site eurosfordocs.fr, que registrou o valor das vantagens recebidas da indústria farmacêutica. Os valores relatados são para as sociedades médicas signatárias da referida carta aberta, bem como para seus representantes individualmente nos últimos 4 anos. Os valores não incluem acordos em que os montantes não são divulgados.

O levantamento
  • Os representantes individuais receberam, em média, a considerável quantia de €152.000 nos últimos quatro anos. No topo da lista, o professor Leclerc e o professor Laharie receberam mais de €600.000 cada um.
  • Por outro lado, as sociedades médicas receberam em média mais de €1.400.000. As mais favorecidas, a Sociedade Francesa de Cardiologia e a Sociedade Nacional Francesa de Gastroenterologia, receberam, respectivamente, €6,4 milhões e €1,9 milhão.
Signatários

A reportagem questiona: como esperar qualquer independência dessas organizações em relação aos interesses industriais, com tais conflitos de interesse? Como esperar que sua dependência e a influência dos interesses da indústria não sejam veiculadas no âmbito político e midiático, uma vez que essas sociedades médicas são os principais interlocutores das autoridades de saúde e da mídia? Por que os meios de comunicação, que ecoaram essa carta aberta unanimemente, não divulgaram essas quantias aos seus leitores e ouvintes?

A reportagem ressalta que é necessário tomar medidas para garantir a independência das sociedades médicas em relação à indústria farmacêutica. Afirma que isso é fundamental para a liberdade de prescrição dos médicos, a independência dos pesquisadores e a saúde pública. Os autores da reporagem convocam políticos, jornalistas, cidadãos, e especialmente médicos, afirmando que devem se envolver ativamente na implementação de medidas rigorosas para prevenir conflitos de interesse e garantir transparência nas atividades das sociedades médicas.

 

Fonte: Médicos Pela Vida

 

Confira outras notícias da editoria CIENCIA e TECNOLOGIA clicando aqui.