terça-feira, 16 abr, 2024

França suporta pressão marroquina e está na final

Kolo Muani empurra a bola para o fundo das redes e sela a classificação francesa. (Twitter/FIFA)
Kolo Muani empurra a bola para o fundo das redes e sela a classificação francesa. (Twitter/FIFA)

 

Claudio Fernandes, da Tribuna da Imprensa

 

O planeta futebol conhecerá um novo tricampeão mundial no próximo domingo. Na tarde desta quarta-feira, a França derrotou Marrocos por 2 a 0 e se classificou para defender o título conquistado em 2018 e se tornar a primeira seleção desde a brasileira, em 1958-62, a vencer duas Copas de forma consecutiva. Do outro lado terá a Argentina de Messi, presente também na final de 2014, mas que não conquista a competição desde 1986.

Já Marrocos, que deixou o campo de jogo após ser ovacionado pela torcida, busca o honroso terceiro lugar no sábado, diante da Croácia. Fora os momentos dos dois gols sofridos, os africanos foram melhores que os franceses durante todos os mais de 90 minutos.

 

PRIMEIRO TEMPO

 

França e Marrocos buscaram o gol durante todo o primeiro tempo, o que tornou um espetáculo agradável de ser visto desde o início da partida. Melhor ainda para os franceses. Aos cinco minutos, Griezmann recebeu livre na direita, cruzou e, após bate-rebate, Theo Hernandez abriu o placar.

Marrocos havia levado apenas um gol na Copa do Mundo e jamais havia ficado atrás no placar. A forma como reagiriam ao revés, ainda mais nos primeiros minutos, era uma incógnita. A atitude dos Leões do Atlas foi a melhor possível. Com organização e coragem, partiram para o ataque e, se ficaram expostos a algumas chances francesas de ampliar o marcador, também criaram e ficaram muito perto do gol de empate.

Com isso, quem ganhou foi o torcedor, porque as duas seleções se alternaram no ataque. Aos 10min, Ounahi arriscou de fora da área e a bola carimbou a trave de Lloris. Sete minutos depois, quem parou na trave foram os franceses. Giroud se aproveitou de uma falha de Saiss, saiu na frente de Bono e não ampliou por centímetros.

Com o passar do tempo, Marrocos passou a tomar mais conta do jogo e intensificou a pressão. Já nos acréscimos, Giroud afastou mal de cabeça uma cobrança de escanteio e El Yamiq, de bicicleta, acertou a trave. O apito final teve ares de alivio para a seleção francesa.

 

Theo Hernandez abre o placar para a França. (Twitter/FIFA)
Theo Hernandez abre o placar para a França. (Twitter/FIFA)

 

SEGUNDO TEMPO

 

O alívio francês durou apenas o período do intervalo. Desde o primeiro minuto do segundo tempo, os marroquinos dominaram o jogo, povoaram o campo ofensivo e empilharam oportunidades. Embora nenhuma tenha sido muito aguda, Lloris e os zagueiros tiveram que se virar para afastar cruzamentos da intermediária, da linha de fundo e jogadas tramadas pelo meio.

Com o passar do tempo, Marrocos permitiu alguns ataques franceses e aí os campeões do mundo foram letais. Aos 34 minutos, Mbapé entrou driblando na área, chutou e a bola sobrou para Kolo Muani. Ele acabara de entrar em campo e seu primeiro toque na bola foi para empurrá-la para o fundo das redes: França 2 a 0.

Mesmo sofrendo mais um duro golpe, Marrocos seguiu pressionando. Valentes, os Leões do Atlas pecaram apenas na objetividade, já que tiveram enormes dificuldades para concluir a gol. Quando fizeram, já nos acréscimos, Koundé salvou quase em cima da linha o chute de Hamdallah.

O apito final transformou o estádio em um misto de choro e orgulho marroquinho. E de felicidade e alívio francês.

 

Confira outras notícias da editoria ESPORTE clicando aqui.