sábado, 13 abr, 2024

Confiança do Comércio sobe 3,7 pontos em maio

Confiança
Agência Brasil

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) subiu 3,7 pontos na passagem de abril para maio, para 87,3 pontos. A informação, só para ilustrar, foi dada na manhã desta terça-feira, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, por sua vez, o indicador avançou 0,5 ponto, segunda alta consecutiva.

“Em maio, a confiança do comércio voltou a subir, compensando a perda do mês anterior. A alta no mês, portanto, decorre do resultado mais favorável sobre a situação atual e da redução do pessimismo sobre os próximos meses”, avaliou Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagem do Comércio no Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Apesar da recuperação no momento, Tobler pondera que o comércio ainda não recuperou as perdas da virada de 2022 para 2023. “A expectativa para os próximos meses é de continuidade desse momento mais morno para o setor, pelo menos até ter mais sinalizações positivas da confiança do consumidor e do ambiente macroeconômico.”

 

Índice de Situação Atual

 

Em maio, ademais, houve melhora na confiança em quatro dos seis principais segmentos do comércio. O Índice de Situação Atual (ISA-COM), todavia, avançou 2,7 pontos, para 90,1 pontos. O Índice de Expectativas (IE-COM) aumentou 4,8 pontos, para 85,1 pontos.

As empresas relataram em maio que os principais fatores que limitam a melhoria dos negócios são a competição, a demanda insuficiente e o custo financeiro.

O quesito competição está geralmente associado a uma economia mais aquecida, mas ainda está em nível bem abaixo do observado em maio de 2019, no pré-pandemia. O item demanda insuficiente está acima do registrado em maio de 2021 e 2022, “mostrando que ainda é um fator importante limitativo”. Já o custo financeiro, que inclui a percepção sobre a taxa de juros, alcançou o maior valor registrado para meses de maio desde 2016.

A Sondagem do Comércio de maio coletou informações de 738 empresas entre os dias 2 e 26 do mês.

 

FONTE: Estadão Conteúdo

 

Confira outras notícias da edioria ECONOMIA clicando aqui.