quarta-feira, 24 abr, 2024

RIO

Caixa Cultural recebe evento com coletor de lixo eletrônico

Caixa Cultural
Divulgação

Nos dias 18 e 19 de outubro aconteceu a primeira edição do Festival Papo de Música, idealizado e produzido pela jornalista Fabiane Pereira. O evento reuniu diversos nomes da MPB no Teatro Nelson Rodrigues (Caixa Cultural), no Centro do Rio de Janeiro, e chamou a atenção dos cariocas para ação sustentável com a Circoola, startup de reciclagem de resíduos eletrônicos que realiza coletas domiciliares 100% gratuitas na região.

Unindo debates agregadores, músicos e jornalistas, o “Papo de Música” já faz sucesso no YouTube e sua edição presencial também se tornou marcante para a cidade. O evento reuniu até o fim desta quinta-feira uma sequência de artistas que contaram sobre suas carreiras e compartilharam informações valiosas para aumentarem o acesso à música brasileira e suas vertentes, que falam desde a composição até direito autoral.

O público acompanhou de perto atrações como debates entre os jornalistas Maria Fortuna, Pedro Henrique França e Kamille Viola; o quadro “Artista Entrevista Artista”, com João Cavalcanti e Sandra Sá; uma conversa da criadora do evento, Fabiane Pereira, com a atriz e cantora Letrux, além da gravação do podcast “Peixe Voador”, da jornalista Patricia Palumbo com o músico Jards Macalé, e um debate com o “Slam das Minas RJ”.

 

Festival leva ação sustentável de descarte correto de eletrônicos para o Centro

 

A idealizadora do evento garante que música e sustentabilidade caminham de mãos dadas, principalmente no Rio, uma cidade com tantas belezas naturais. Para despertar ainda mais a atenção do público, foi instalado um coletor feito com plástico 100% reciclado na entrada do Teatro Nelson Rodrigues. A ação acontece em parceria com Circoola, startup carioca que realiza coletas domiciliares gratuitas na capital, Baixada e Niterói pelo site www.circoola.com.br.

Vale lembrar que 14 de outubro foi o Dia Mundial do Lixo Eletrônico, que também contou com ativação da Circoola na Praia do Arpoador, como parte da maior ação sobre descarte correto deste tipo de resíduo já realizada no Brasil. Tornando o evento mais sustentável, com incentivo ao público para levar seus eletrônicos sem uso e descartar no local, Fabiane Pereira espera conscientizar ainda mais pessoas na cidade, considerando que cada carioca gera, em média, 10kg de lixo eletrônico por ano e cada artista gasta ao menos uma bateria por show.

“Me incomoda muito a quantidade de mídia eletrônica que a gente descarta erradamente. O que me motivou que a gente tivesse a participação da Circoola foi incentivar mais pessoas a realizarem o descarte correto. Estou muito feliz com essa parceria e espero que tenhamos em todos os meus projetos, porque a questão ambiental é urgentíssima e precisamos inserir no nosso dia a dia o descarte correto”, explicou.

 

Mola Propulsora

 

Fabiane também comentou sobre a redução de danos causados ao meio ambiente e como a música pode ser uma “mola propulsora” para que as pessoas adotem hábitos sustentáveis.

“Precisamos conscientizar as pessoas da maneira mais didática possível que o meio ambiente é um problema meu, seu e de todos nós. Não é uma questão que está longe da gente. Todos estamos sofrendo com as questões climáticas e precisamos nos responsabilizar e minimizar esses danos”, concluiu.

O Brasil é o quinto maior gerador de lixo eletrônico do planeta, produzindo mais de 2 milhões de toneladas deste tipo de material por ano. Porém, menos de 3% é reciclado da forma correta. Apesar da importância do assunto, entretanto, muitas pessoas ainda guardam esses equipamentos em casa ou descartam da forma errada por não saberem que existem cooperativas próximas que fazem a coleta e reciclagem.

Só para ilustrar, em pouco mais de um ano, a Circoola já coletou e deu a destinação correta para mais de 105 toneladas de resíduos eletroeletrônicos e eletrodomésticos, que vão desde pilhas e baterias, que geram energia para alguns desses materiais, até freezer, ventiladores, geladeira, ar-condicionado, entre outros equipamentos maiores que perderam seu uso.

Além do serviço de coleta 100% gratuita para pessoas físicas, a startup ajuda outros negócios a se regularizarem de acordo com as leis ambientais e oferece palestras e materiais de educação ambiental para conscientização de colaboradores e da população local. No fim de outubro, a Circoola eapoiará com seu coletor o Hacktudo, que ocorrerá na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, nos dias 28 e 29.

 

Confira outras notícias da editoria CIÊNCIA e TECNOLOGIA clicando aqui.