terça-feira, 23 abr, 2024

Brasil

Agronegócio brasileiro deve crescer 35,9% em 2023

Agronegócio
Pixabay/Pexels

O agronegócio brasileiro colhendo muitos frutos. O setor teve um crescimento expressivo no primeiro semestre deste ano, com um aumento de 15,5% no PIB do setor em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP, o PIB do agronegócio brasileiro alcançou R$ 1,35 trilhão no primeiro semestre de 2023, ante R$ 1,16 trilhão no mesmo período de 2022.

O crescimento foi impulsionado por uma série de fatores, incluindo a recuperação da demanda global por commodities agrícolas, o aumento dos preços dos produtos agropecuários e as condições climáticas.

“O agronegócio brasileiro em 2023 continua a ser um pilar da economia do País, impulsionando o crescimento e enfrentando desafios de maneira determinada. Com um compromisso crescente com a sustentabilidade e a inovação, o setor está bem-posicionado para enfrentar o futuro e continuar a desempenhar um papel fundamental na alimentação do mundo”, afirma a economista e professora da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP)Nadja Heiderich.

Nadja é Doutora em Ciências (Economia Aplicada) na Universidade de São Paulo. Possui mestrado em Ciências (Economia Aplicada) pela Universidade de São Paulo (2012). Graduada em Ciências Econômicas pela FECAP (2008). É professora no Centro Universitário FECAP. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: meio ambiente, modelagem matemática, logística, agronegócio.

Segundo a docente, a sustentabilidade permanecerá no centro das atenções, à medida que o Brasil busca cumprir metas ambientais e atender às expectativas dos consumidores conscientes. A tecnologia desempenhará um papel vital, com a adoção de sistemas de agricultura de precisão e a integração de dados para melhorar a eficiência e a tomada de decisões.

“No entanto, desafios persistem, incluindo a necessidade de investir em infraestrutura logística para garantir o transporte eficiente dos produtos agrícolas para os mercados internacionais. Questões ambientais, como o desmatamento na Amazônia, continuam a atrair a atenção global e exigem esforços contínuos de conservação”, acrescenta.

 

Soja e milho lideram o crescimento

 

Os principais produtos responsáveis pelo crescimento do agronegócio brasileiro no primeiro semestre de 2023 foram a soja e o milho. A safra de soja 2022/2023 foi recorde, com uma produção de 138,9 milhões de toneladas, ante 124,3 milhões de toneladas na safra anterior. Já a safra de milho 2022/2023 deve alcançar 115,4 milhões de toneladas, ante 108,6 milhões de toneladas na safra anterior.

 

Exportações também cresceram

 

As exportações do agronegócio brasileiro também cresceram no primeiro semestre de 2023, com um aumento de 17,5% em relação ao mesmo período do ano passado. O valor das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 100,7 bilhões no primeiro semestre de 2023, ante US$ 85,5 bilhões no mesmo período de 2022.

 

Projeções para 2023

 

O Cepea e a CNA projetam que o PIB do agronegócio brasileiro continue a crescer em 2023, com um aumento de 35,9% em relação a 2022, alcançando R$ 2,65 trilhões em 2023, ante R$ 1,95 trilhões em 2022.

Espera-se que a produção de grãos continue a crescer, impulsionada pelo aumento da demanda global por alimentos e biocombustíveis. Além disso, o setor pecuário, incluindo carne bovina e de frango, deve continuar a se expandir.

“À medida que o ano avança, o Brasil está se preparando para colher os frutos de seus esforços no setor agrícola e consolidar seu papel como líder global no agronegócio. O agronegócio brasileiro é um setor dinâmico e resiliente, que tem se mostrado capaz de superar desafios e continuar a crescer. Com o compromisso de seus produtores e trabalhadores, o Brasil está em papel de destaque para continuar a liderar o mundo na produção de alimentos e matérias-primas agrícolas”, finaliza Nadja.

 

Confira outras notícias da editoria AGRO clicando aqui.