quinta-feira, 23 maio, 2024

PAC terá cerca de R$ 1 bihão para a Embrapa

PAC
Foto: José Cruz/Agência Brasil

O novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) inclui cerca de R$ 1 bilhão em investimento para 32 novas estruturas de pesquisa agropecuária e 50 mil quilômetros em estradas vicinais, disse o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, em entrevista exclusiva ao Broadcast Agro. Ele voltou a destacar que, pela primeira vez, a agropecuária está sendo contemplada no PAC.

“O presidente Lula reconhece a força do setor. Quando ele fala que irá governar para todos, é o presidente que fez o maior Plano Safra da história, que aprovou os transgênicos, criou o programa de biodiesel e agora coloca a agricultura no PAC pela primeira vez”, disse.

O investimento em pesquisa agropecuária compreende novos prédios, laboratórios, equipamentos para universidades e centros de pesquisa para a Embrapa, segundo o ministro.

“No eixo pesquisa e inovação do PAC, a Embrapa volta a ter investimentos parrudos para cumprir seu papel e continuar o desenvolvimento de tecnologia de ponta para a agropecuária brasileira e mundial, garantindo segurança alimentar para o mundo”, observou Fávaro.

Locais

Em suma, serão 34 projetos ao todo, incluindo dois em andamento – em Campinas e no Rio de Janeiro – e quatro centros de pesquisa agropecuária. Os 32 novos ficarão em Pelotas (RS), Bento Gonçalves (RS), Bagé (RS), Passo Fundo (RS), Concórdia (SC), Colombo (PR), Londrina (PR), São Carlos (SP), Jaguariúna (SP), Seropédica (RJ), Juiz de Fora (MG), Sete Lagoas (MG), Dourados (MS), Campo Grande (MS), Santo Antônio de Goiás (GO), Brasília (DF), Sinop (MT), Cruz das Almas (BA), Aracaju (SE), Petrolina (PE), Campina Grande (PB), Fortaleza (CE), Sobral (CE), Teresina (PI), Palmas (TO), Belém (PA), Rio Branco (AC), Porto Velho (RO), Manaus (AM), Boa Vista (RR) e Macapá (AP).

Em infraestrutura agropecuária, o PAC prevê investimento em cerca de 50 mil quilômetros em estradas vicinais – vias que são conexões entre as áreas rurais e os centros urbanos. “Haverá investimento na melhoria das condições das vicinais brasileiras, estruturadas em regiões de grande produção e potenciais de produção. São lugares onde as condições climáticas são desfavoráveis, chove muito e se produz muito, e as vias não pavimentadas não suportam. Pela primeira vez, o Ministério da Agricultura vai participar com vicinais”, comentou o ministro.

Ademais, o projeto das vicinais abrangerá todos os Estados brasileiros. Haverá mais ênfase, contudo,nas regiões de maior produção agrícola. Além delas, nas utilizam o modal para escoamento da produção, segundo o ministro. Entre as regiões, portanto, o oeste da Bahia e o Estado de Mato Grosso receberão aportes com novas vicinais.

O setor produtivo deve ser contemplado também com aportes. Estes estarão sob o guarda-chuva do Ministério dos Transportes. Isso, por fim, inclui investimento em ferrovias, como a Transnordestina e a Fiol, e ampliações em portos.

Fonte: Estadão Conteúdo

Confira outras notícias da editoria AGRO clicando aqui.